Tudo Sobre os Desafios da Vida Sitting looking over grass hill - Tudo Sobre os Desafios da Vida Bandeira

Suicídio de um Filho


Suicídio de um filho – Verdade inaceitável sobre filhos e suicídio
"Karen", meu marido disse depois de desligar o telefone, "encontraram Robbie em seu apartamento.... morto".

Eu estava me sentindo golpeada e arrasada. O que poderia ter acontecido? Ele estava doente, ou tinha sido assassinado?

"Karen, eu sei o quanto isto dói", João disse. "Robbie era o meu enteado, mas eu o amava como se fosse meu filho. Karen, ele cometeu suicídio."

Eu escutei o que ele tinha acabado de me dizer, mas em minha mente eu estava negando tudo. "Por favor, Senhor. Faça com que isso seja um engano", eu orei. Durante aquela noite, eu aceitei a verdade inaceitável.

A vida tinha sido sempre difícil para Robbie. Ao nascer, ele teve falta de oxigênio que resultou em uma desordem de linguagem, problemas de aprendizagem e de audição. Como um adulto, ele foi diagnosticado com dislexia.* Um jovem homem impulsivo, ele estava sempre agindo antes de pensar. Enquanto impulsividade geralmente é associada com Desordem de Déficit de Atenção, na geração de Robbie, DDA era conhecido como um "pequeno dano cerebral".

Aos vinte e dois anos de idade, Robbie se mudou para Oregon para provar que ele podia viver sozinho. Ele participou – contra a minha vontade - de um treinamento para ajudá-lo a conseguir um emprego em empresas dispostas a contratar pessoas que precisavam de atenção especial. Ele nos garantiu que estaria bem. Um mês depois de se mudar para Oregon, o seu emprego não deu certo e ele se mudou para Washington. Ele logo conseguiu um apartamento, um emprego e uma igreja. Pelo que a gente sabia, ele estava bem.

Agora uma ligação de Washington tinha quebrado todas as esperanças e sonhos de um futuro feliz para o meu filho. Aquela noite, derramei muitas lágrimas antes de finalmente conseguir adormecer.

Eu acordei achando que tinha sonhado com Robbie. Ele tinha me chamado e dito que Jesus me amava. "Onde você está, Robbie?", eu perguntei. Ele me disse que não podia vir até a mim, mas que me amava.


Suicídio de um filho – Braços de conforto do Pai Celestial para os pais de suicídio
Eu tinha acabado de passar pela experiência de suicídio de um filho – meu filho! "Por favor, Senhor, ajude-me". Eu chorei e pensei no versículo: "Jesus chorou". Daquele momento em diante eu sabia que não estava sofrendo sozinha.

O conforto de amigos e parentes não podia aliviar a dor e agonia. Ao mesmo tempo, eu sentia os braços amorosos de Deus me carregando. Dentro de mim, eu compreendia que desde o início dos tempos Deus já sabia o que era sofrer.


Suicídio de um filho – Cura e esperança
A primeira reação à perda de um ente querido, principalmente devido ao suicídio de um filho, é negação. A gente acha que se gritarmos "NÃO!" bem alto, vamos saber que tudo não passou de um engano. Assim como o abraço de um amigo, a negação permite com que o corpo físico absorva o choque. Negação então se torna choque, assim como um tranquilizante para a dor. Isso nos dá forças para notificar amigos, parentes e cuidar dos detalhes do velório. Durante essa perda, sonhos e memórias trazem de volta o nosso ente querido, nem que seja por um breve momento.

No fim das contas, Deus é que vem curar a nossa dor. Sempre teremos as cicatrizes do suicídio de um filho, mas se tentarmos encontrar o propósito de Deus, acharemos propósito para a nossa dor. Compreender pela primeira vez a soberania de Deus me ajudou a aceitar o inaceitável – o suicídio de meu filho. Os braços de Deus me ajudaram a passar por aquele momento de dor.

Aprenda mais sobre como lidar com a morte

Atenção:

Essa história foi tirada e adaptada de um livro que ainda será publicado, chamado de It's Too Soon to Say Goodbye, escrito por Karen Kosman.

*Dislexia se refere a qualquer tipo de desordem de aprendizagem associada com dificuldade na habilidade de interpretar relações espaciais ou de integrar informação auditiva e visual, geralmente resultando em dificuldade de aprender a ler. Saiba, no entanto, que Robbie teve vários anos de educação especial e eles nunca diagnosticaram esse problema. Ele só foi diagnosticado em uma clínica para leitura à qual o levei quando já tinha 20 anos de idade.



O que você acha?
Todos nós pecamos e merecemos o julgamento de Deus. Deus, Pai enviou o Seu único Filho para satisfazer o julgamento por aqueles que creem nEle. Jesus, o Criador e eterno Filho de Deus, viveu uma vida sem pecado e nos ama tanto que morreu pelos nossos pecados, tomando sobre Si o castigo que nós merecemos, foi enterrado, e ressuscitou dos mortos, de acordo com a Bíblia. Se você realmente crê e confia nisso de coração, e escolher receber a Jesus como o seu único Salvador, declarando, "Jesus é o Senhor", você será salvo do julgamento e passará a eternidade com Deus no céu.

Qual a sua resposta?

Sim, eu quero seguir Jesus

Eu já sou um seguidor de Jesus

Ainda tenho dúvidas





How can I know God




When you die, why should God let you into heaven?


Direito Autoral © 2002-2020 AllAboutLifeChallenges.org, Todos os Direitos Reservados